A condição da Informação

Anotações do texto A Condição da Informação de Aldo Barreto.

Aldo Barreto no início do texto faz referência ao pensamento de Hannah Arendt em seu livro A Condição Humana, aproximando a condição da informação a uma característica essencial do homem da “vida activa” do homem na Terra. Sua condição é de harmonizar o mundo. Esta “vida activa” seria determinada pelo conhecimento (trabalho), a inteligência (ação) e o saber (labor) e seus estoques e fluxos de informação.

Define o conhecimento como uma sucessão de eventos que acontecem na mente de um determinado indivíduo e em um determinado espaço social. Ele é diferenciado para cada indivíduo e não pode ser gerenciado – isso seria um absurdo para Barreto. Representa a inteligência como “um conjunto de atos voluntários pelo qual o indivíduo re-elabora seu mundo e tenta modificar seu espaço”. E o saber como algo acumulado em sua mente; um acervo pessoal.

Apresenta Vannevar Bush como o precursor da ciência da informação, em 1945, quando publicou o artigo “As we may think” onde refletia sobre o problema da informação em ciência e tecnologia e os entraves para organizar, processar e armazenar a informação. A criação do nome “ciência da informação” só aconteceu em 1958, por ocasião da conferência da Royal Society sobre a influência dos escritos de Bush. Só em 1980 que surge o computador.

A ciência da informação é um campo “que estuda a ação mediadora entre informação e conhecimento acontecido no indivíduo”. Ela difere da biblioteconomia no modo como reflete sobre os fluxos de informação. A biblioteconomia se preocupa com o “fluxo interno a seu sistema, que abrange seleção, aquisição, catalogação, classificação, indexação, armazenamento, recuperação e disponibilidade para uso de itens de informação”. Enquanto que a ciência da informação se preocupa com os fluxos externos, localizados nas extremidades do fluxo de informação que são internos (ver figura 2), onde há criação e assimilação da informação. São nesses dois momentos que acontecem, segundo o autor, o ritual da transferência da informação: a (in) tensão da passagem e a solidão fundamental. No primeiro momento, o mundo do emissor interage com o mundo de referências do receptor, produzindo tensão. E no segundo momento, a transformação acontece na privacidade da vida pensante de cada indivíduo. É nesse ritual de passagem que “o pensamento se faz informação e a informação se faz conhecimento”.

Aldo Barreto divide a história da ciência da informação em três tempos:

(1) Tempo da gerência de informação que vai de 1945 a 1980

A época de Vannevar Bush onde não se tinha um instrumento para ordenar, organizar e controlar uma explosão informacional. Nessa época surgiu uma metodologia de reformatação do documento, assessorada por uma linguagem controlada que dava conta de representar o seu conteúdo. “A era da gestão trouxe o esplendor das classificações, indexações, tesauros, medidas de eficiência na recuperação do documento”. Essa técnica dura até os dias de hoje mesmo sabendo que “o problema, os pressupostos, a metodologia e a tecnologia mudaram”.

(2) Tempo da relação informação e conhecimento no período de 1980 e 1995

Nessa época, os estudos do cognitivismo estavam muito presentes em todos os campos da ciência e não foi diferente no campo da ciência da informação. “O conhecimento, destino da informação, é organizado em estruturas mentais por meio das quais um sujeito assimila a ‘coisa’ informação. Conhecer é um ato de interpretação individual, uma apropriação do objeto informação pelas estruturas mentais de cada sujeito.”

(3) Tempo do conhecimento interativo de 1995 até os dias atuais

O conhecimento assumiu um novo status após o surgimento da Internet e a world wide web, a partir de 1990. “As reais modificações advindas das tecnologias intensas da informação trouxeram ao ambiente um novo elaborar do conhecimento e foram as modificações relacionadas ao tempo e ao espaço de sua passagem”. Tudo acontece em um mesmo espaço: os estoques de itens de informação, as memórias, os meios de transferência e a realidade de convívio dos receptores de informação (ver figura 3) e em uma velocidade infinita. O tempo é agora.

Aldo Barreto termina o texto com o seguinte pensamento provocador: “Como ficará o pensar, o querer, o julgar nessas novas configurações de tempo e de espaço e informação. Não se sabe, mas considera-se que de nada adiantará se as modificações não acontecerem em cada um”.

https://diigo.com/01q6m1

Anúncios

Sobre abax

Esse blog foi feito para refletir sobre como as novas tecnologias da comunicação e da informação da Internet - aqui chamadas de Tecnologias Interativas - podem ajudar o homem a estar no mundo e a fazer Ciência no século XXI? Interesses: Interação-homem-máquina Cognição Construção do conhecimento científico Ferramentas Interativas da Internet

Tem algo para dizer?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Conexão África

Um blog dedicado à musica africana: uma viagem pelo continente africano, sua diversidade e sua riqueza (Rádio Kaxinawá - FM 100.1)

Blog da Boitempo

Aqui você pode encontrar informações dos livros e eventos realizados pela editora Boitempo. E, principalmente, pode interagir e ajudar na construção da editora que ousou ter uma cara e conquistou seu espaço produzindo livros de qualidade

Bernard Thomasson

journaliste, écrivain, voyageur, marathonien

Júlio Hermann

Brazilian writer and journalist.

sonia hirsch

jornalista e escritora focada em promoção da saúde

Innovations in Scholarly Communication

Changing Research Workflows

Sociologia Associativa

Laboratório de Sociologia dos Processos de Associação (LaSPA)

Entendendo o Corpo e a Dor by Tati Pilates

Por que a dor aparece? O que ela quer nos dizer? Como posso me curar?

compartilhandohistorias

Just another WordPress.com site

Naiara Bertão

Portfólio e insights da jornalista Naiara Bertão

Revolução dos Índigos e Cristais

Eles estão chegando para ajudar na transformação social, educacional, familiar e espiritual de todo o planeta, independente das fronteiras e de classes sociais. São como catalisadores para desencadear as reações necessárias para as transformações. As pessoas despertas acordarão como de um sonho com seus centros de energia totalmente abertos, livres do véu do esquecimento, tanto pessoal quanto planetário, pertinentes à terceira dimensão. As pessoas começarão a se reconectar com suas origens e propósitos da alma, que é o retorno da Consciência Crística para o planeta. Um novo campo de percepção está disponível para aqueles que aprenderem a ver as coisas de uma outra forma.

#CódigoAbierto_CC

Tecnopolítica, cultura libre, redes, comunicación, postperiodismo. El blog de Bernardo Gutiérrez (@bernardosampa)

Centelha

Um pouco de vida

Pesquisa Educação

Renata Aquino, doutora em educação e tecnologia

TED Blog

The TED Blog shares interesting news about TED, TED Talks video, the TED Prize and more.

L:I.S.T.A

Laboratório de Pesquisas em Interações Sociotecnicoambientais

The Scholarly Kitchen

What’s Hot and Cooking In Scholarly Publishing

un blog, des blogs

Et le Metablog fut

%d blogueiros gostam disto: